Diário de um Bração – Parte II “A pressa é a inimiga do Bração”

Antes de ler este post, deixe tocar esta música, clique no link para ter noção do que foi a participação em Zandvoort.

 

Já contei aqui, que o retorno ao simracing está sendo difícil e desafiador. Na segunda etapa do campeonato tive uma das piores corridas da minha vida, não pela posição final, mas pela apresentação totalmente pífia do Bração.

 

A pista de ontem prima pelo desafio de ser técnica, quando se fala em pistas técnicas um bração já sabe que pode estar em desvantagem, pois pistas técnicas exigem mais velocidade onde geralmente um bração não vê, aí teremos todo um resumo de opções que deveríamos listar, Apex, velocidade de entrada na curva, velocidade na saída, Apex, braços melhores, pontos de frenagem, Apex, por aí vai.

 

A corrida de ontem começou mal pelo qualy, larguei em 17th, de 18 pilotos, não acertei nenhuma volta boa no qualy e quando estava forçando um pouco, coloquei tudo, tudo a perder.

 

A corrida começou e bração que é true, faz cacaca, também fora das pistas, quando fui carregar o set, o calculo que o jogo fazia do combustível estava errado, então segui o calculo do jogo colocando 110 litros, apesar de achar exagero, fui nessa, resultado: Tinha combustível para duas corridas.

 

Até aí só fui ver o erro quando estava na pista, esfriando os pneus na volta de apresentação. Depois da largada tentei fazer o que o bração deve fazer, ficar na sua balada e não se meter a besta. Fui comboiando o 16th lugar e cheguei a comboiar por umas duas voltas.

Numa freada forte acabei tomando um toque, era aí o começo do fim da minha corrida. Um bração só consegue se concentrar por algumas voltas, depois disso ele caí em tentação. Com o toque fui pro mato, voltei, e com pneus sujos quis tirar o atraso da escapada. Resultado: Saí novamente da pista, depois saí de novo, tudo isso em apensa uma volta.

Nós os brações temos uma mania muito feia, queremos resolver a parada que não fizemos durante toda a semana, como fiquei para trás, estando a uns 40 segundos do 18th, resolvi apertar o pedal da direita. Com um pouco de arrojo e sorte, consegui virar melhor de pneus médios e tanque para duas corridas do que no qualy, é bizarro, mas aconteceu.

Comecei a tirar um pouco quando escapei novamente, e aí bati forte, o carro perdeu desempenho a lot, então vi que era hora de parar, mas quis esperar a metade da corrida.

Antes de parar já estava tenso pois estava usando o status “De Cesaris”, tomando volta lindamente de todos. A bandeira azul nem desaparecia mais da tela. E tomando uma volta cometi um erro bobo, na vontade de não atrapalhar os ponteiros eu me assustei na freada e fui pro mato e o carro tomou porrada do mudo de tudo quanto é lado.

Aí meus amigos começou o show de horrores, eu não fiquei mais na pista, eu devo ter escapado em todas, eu disse, todas as curvas de Zandvoort.

Mas a maior peripécia estava para acontecer, já com o carro ruim, tentei fazer a subida da reta de largada com pé em baixo, ou flat, como queiram, escapei no muro da esquerda que me jogou no muro da direita, lembram do Alonso em Interlagos 2003????

 

Depois de rodar de lá para cá,fiquei de frente para quem vinha subindo, uma cena grotesca, mesmo assim ainda não desisti.

Depois de colocar o carro no sentido correto, eu tentei mais uma vez voltar para a corrida mas estava muito complicado, fui novamente para o mato e pensei, “Um bração deve ser humilde para ver que a corrida está uma bosta”, assim após vinte torturantes voltas, eu desisti, recolhi o carro e virei esta triste pagina na minha carreira como simracer.

 

Semana que vem em Barcelona, será que conseguirei fazer uma corrida boa pelo menos??? Até lá!

 

2 thoughts on “Diário de um Bração – Parte II “A pressa é a inimiga do Bração”

Deixe um comentário